terça-feira, 31 de dezembro de 2019

MAL DO CORAÇÃO

Para o mal do coração, o remédio errado só piora.
Nós dois sabemos que eu não sou o remédio certo.
Não agora.
Acho melhor eu não medicar você.
Carrego efeitos colaterais que você conhece.
Tenho gosto amargo que você não esquece.
E não sou indicado ao teu momento.
Posso piorar o teu sofrimento.
Posso até te aliviar de alguns sintomas.
Pois já vi uns sorrisos na tua cara.
Mas a tua dor não, eu sei, não para.
Mal do coração.
Precisa do remédio certo.
E que ele esteja por perto.
Mas apesar de tudo, é um mal que se cura.
É algo regenerativo.
Assim como o rabo de uma lagartixa.
Que ela desprende e deixa pra trás.
Porque ela sabe que seu corpo é capaz.
De regenerar outro ainda mais belo.
Também é um mal que muda.
Assim como a metamorfose de uma borboleta.
Com a dor, faz a pessoa se arrastar como uma lagarta.
Mas quando concentrada dentro de um casulo.
Sabe que saindo dele, vai ser linda e vai ter asas.
Sofrer o mal de amor é uma opção.
Quem causa a dor, não sofre não.
Então se tem três alternativas.
Ou se cura com o remédio certo.
Ou se liberta do rabo como a lagartixa.
Ou deixa o casulo para voar.
Como uma linda borboleta.

segunda-feira, 30 de dezembro de 2019

FACES DO AMOR

O amor é lindo, quando é correspondido.
E é cruel quando não é.
Já conheci ambas as faces.
Ele machuca, mas ele sara.
Em uns, a cura é rápida.
Noutros, é devagar e a dor não para.
A pessoa se entrega.
Às vezes, inconscientemente.
É difícil de controlar.
Quem tá de fora, não sente.
O amor é foda.
Aliena a vida de uma pessoa à outra.
E muitas vezes nos bota numa furada.
Eu sei, eu já entrei.
Mas eu sarei.
Foi fácil, mesmo eu sendo meio abobado.
No dia seguinte, eu estava sarado.
Amar é foda.
Eu sei, eu já amei.
Mas eu me recuperei.
Embora tenha amado por anos.
Foi rápido, eu já estava vacinado.
E eu fui um pouco culpado.
Então, não chorei o leite derramado.
Amar é bom pra cacete.
Nos apresenta uma sensação ímpar.
Eu sei, eu já passei.
Mas desta vez, não me recuperei.
Mesmo assim eu andei.
Por outro amor, eu procurei.
Mas em outros colos, não encontrei.
Se apaixonar é foda.
Não acontece toda hora.
E tem paixão que não vai embora.
Pra uns é rápido.
Pra outros, demora.

ESMERO

Ao contrário do que dizem.
Eu me dou opções sim.
De encontrar alguém pra gostar.
E de alguém gostar de mim.

Mas não é tão simples assim.
Eu já conheci muita gente.
Algumas mulheres que não valiam a pena.
Mas também muita mulher decente.

Já estive com várias uma só vez.
Com as quais eu tive bons momentos.
Até me despertaram muito tesão.
Mas não me afloraram sentimentos.

Já me dei chances pra me apaixonar.
Mas volto a dizer que não é simples assim.
Que às vezes o que os olhos vêem o coração não sente.
E então, quando e só tesão, e só uma noite e é o fim.

Por vezes, já me dei chance com a mesma pessoa.
Tentei transformar o tesão em algo que mais desejo.
Mas me frustrei mais comigo mesmo.
Porque não acontecia nem no sexo, nem no beijo.

E foram beijos fogosos.
Com muitas, o sexo até foi quente.
Por algumas, aflorou em mim um carinho.
Com outras eu fiquei indiferente.

Eu apenas usei um corpo.
Assim como o meu foi usado.
Quisera em alguma dessas situações.
Que em mim, uma paixão tivesse brotado.

Algumas vezes na outra parte aflorou sentimento.
Mas em mim, nada aconteceu.
Eu machuquei pessoas que não mereciam.
Porque o meu coração não correspondeu.

A gente não comanda nossos sentimentos.
Todo envolvimento é uma aposta.
Por algumas pessoas a gente passa batido.
Frente a outras, a gente sente que gosta.

Já me apaixonei duas vezes.
Por olhares que mexeram comigo.
Então, não me abalo por às vezes me sentir um tanto frio.
Me apaixonar, eu consigo.

Só preciso me encontrar num olhar de novo.
E aí, será diferente.
Pelo muito que eu conheço de mim, eu sei.
Uma paixão despertará novamente.

Que eu continue buscando o que depende de mim.
Mas que eu seja compreensivo quando não encontrar.
Porque no amor, depende de duas pessoas.
Não adianta só em uma aflorar.

Então tento. Arrisco.
Sem pressa nem desespero.
Com coração aberto e o olhar atento.
E principalmente, com esmero.

domingo, 29 de dezembro de 2019

ALMA GÊMEA

Eu queria te reconquistar, mas não dá.
Te perdi mais do que um soltar de mãos, lá atrás.
Não dá mais.
Deixei farpas que eu não soltei.
Cicatrizes que eu não marquei.
Mais ônus que bônus.
Diferente do que imaginei.
Segue a valsa.
Não dá mais.
Vou te adorar do mesmo jeito.
Sem fertilizar a semente.
Apenas água.
Nossa amizade regada.
Meu carinho por ti não diminui.
Minha torcida, idem.
Um dia vamos nos afastar.
Pra um, o outro não prejudicar.
Estaremos em outras mentes.
Beijando bocas diferentes.
Mas na próxima encarnação.
Nós nos reencontraremos.
E nela, iremos nos apaixonar.
Nessa não dá mais.
Mas na próxima dará.
Almas gêmeas sempre se reencontram.
Cedo ou tarde.
Em alguma outra vida.

sábado, 28 de dezembro de 2019

FOTOGRAFIAS

Olhando fotografias passadas, vemos as nossas mudanças com o tempo.
Cabelos a menos, sinais a mais na face.
Alguns com kilos a mais, outros com dentes a menos.
Cabelos esbranquiçados que alguns ostentam e outros tentam esconder.
O que a gente não vê é a mente.
Alguns não aprenderam nada, outros muito, seja na dor, na luta, na labuta, na alegria ou na tristeza.
Isso as fotos não mostram.
Só mostram que o tempo passa.

ME MOSTRE OS DOIS

Se quiser me seduzir, me mostre um belo decote.
Se quiser me conquistar, me mostre um sorriso nos olhos.
Se quiser casar comigo, me mostre os dois.
Adoro seios, nem preciso ver os mamilos.
Eu os desenho na minha mente sozinho.
Mas quanto ao sorriso nos olhos.
Ah... Se eu ver na minha frente.
Eu me derreto, me perco, me infecto.
Quero um sempre por perto.
Não procuro mais só sexo.
Procuro um farol.
Um sol.
Um farol pra guiar meu navio.
Um sol para que um dia não seja sombrio.
Tudo numa parceira.
Sedutora, sexy e atrevida.
Companheira, parceira e amiga.
Já rodei muito na estrada.
Agora quero sossego.
Quero isso pra minha vida.

segunda-feira, 23 de dezembro de 2019

SIGA A VIDA

A vida.
Um tempo que ganhamos ao nascer.
Um chama acesa, suscetível a se apagar.
Num sopro, num golpe de ar.
Uma incógnita do primeiro ao atual minuto.
Um tempo que a gente acha que controla.
E que a gente programa hora por hora.
Mas sem esperar, a gente pode ir embora.
A vida.
Que a gente tem em mente, vivê-la bem.
Todos os minutos, horas e dias.
Isso é o que a gente almeja.
Nem sempre é o que o destino planeja.
Um suspiro, um espirro.
E a vida termina.
Projetos inacabados.
Planos frustrados.
Romances podados.
Tentativas não feitas.
Estratégias desfeitas.
Que a gente tente.
Que se arrisque.
Principalmente no amor.
Mesmo que já tenha passado por dor.
Dor por sentimento não correspondido.
Nunca é tempo perdido.
Sempre há minutos válidos.
Que às vezes se tornam inesquecíveis.
Se não houvesse as tentativas.
Seriam impossíveis.
A vida, que passa depressa.
E escapa entre os dedos.
Não merece ter medos.
Então desvende os segredos, e viva.
Não sobreviva, viva.
Como é melhor ao seu olhar.
Pra uns, na balada, na noite, no bar.
Pra outros, no conforto de um lar.
Seja como for, arrisque ser feliz.
Faça tentativas.
Siga a vida.

INTERPRETANDO MARTINHO

Na música de Martinho da Vila diz:
"Já tive mulheres, de todas as cores, de várias idades, de muitos amores."
Mas no meu caso, sem muitos amores.
Apenas dois.
"Com umas, até certo tempo fiquei."
Mas não me apaixonei.
"Pra outras, apenas um pouco me dei."
Cedi meu corpo, mas minha mente neguei.
"Já tive mulheres, do tipo atrevida."
Já, e é destas que eu gosto.
Mas já tive também, ruins de cama.
"Procurei, em todas as mulheres, a felicidade."
Não eu, com algumas foi só sexo.
A felicidade eu procuro agora.
Quando só o sexo, apesar de bom, pouco importa.
Quero paixão me batendo à porta.
Não na minha cara.
Mas o craseado, pedindo pra entrar.
Eu quero me apaixonar.
Com sexo bom, mente aberta.
Sem cobrança, sem posse.
Com amizade, com cumplicidade.
Com leveza.
Tudo sobre a mesa.
Sem querer ir embora.
Já chegou a hora.
O meu tempo é agora.
Simbora.

domingo, 22 de dezembro de 2019

MEU SENTIMENTO DELEGADO

Sentimento. Ah sentimento.
Por que é tão desobediente?
Te dei informações precisas.
Mas você insiste em me contrariar.
Tá vai! Você até entendeu as informações.
Era isso mesmo o que eu queria.
Mas justo com quem não devia?
Já estive com mulher interessante.
E cadê você? Ficou ausente.
Escafedeu-se.
Muito tempo passou.
As chances passaram.
E só agora você aflora?
Ah sentimento!
Eu te deleguei minha alegria.
Te deleguei o meu pensamento.
E você me coloca nessa roubada.
Numa história acabada.
Que eu próprio resgatei, eu confesso.
Tenho minha parcela de culpa.
Só achei que você era mais esperto que eu.
Já que por diversas que eu quis, você se escafedeu.
E justo agora você reapareceu.
Mas não te culpo, aquele olhar é foda.
Só que pula, continua.
Deixo a nau sob o seu timão.
Navegue por outros mares.
Procure em outros bares.
Esta pessoa está sob manutenção.
Não deseja minha atenção.
Tampouco meu amor e meu desejo.
Sequer o meu beijo.
Confio em ti, sentimento.
E sei que em algum momento.
Aflorará na hora certa.
Seguindo a receita.
Com quem me aceita.
Por quem eu aceito.
Do meu jeito.
Transparente, amigo e sincero.
Tenho urgência, mas pode ir com calma.
Eu espero.

sábado, 21 de dezembro de 2019

ALMA PARECIDA

A gente ri, sorri, brinca e nem se beija.
A gente gosta de estar junto, troca a maior ideia, e nem se namora.
Não mais.
A gente lembra, relembra e até fala sobre sexo.
Às vezes até do que era entre nós.
A gente tem saído juntos, como antigamente.
Quando a paixão rolava entre a gente.
Só que agora, apenas como bons amigos.
Mesmo quando você mexe comigo.
Com o teu olhar, que lembra aquele antigo.
Do nosso tempo de outrora.
Quando eu ia te ver num dia, e só no outro vinha embora.
Hoje é diferente.
Não há nada entre a gente.
Aliás, há a nossa carência.
Você do amor de uma certa pessoa.
E eu de uma paixão, sem nome, sem rosto.
Fica bem claro tudo isso entre nós.
Seja nas conversas virtuais.
Seja quando estamos a sós.
Ninguém mente pra ninguém.
E a gente se faz bem.
Como nos tempos de outrora.
Bem diferente de agora.

quarta-feira, 18 de dezembro de 2019

SEGUINDO

Seguir! Eu sigo!
Mas não perfis, e tampouco modas.
Eu sigo a lei, e os meus instintos.
Não sigo por caminhos errados.
Mesmo que sejam atalhos.
Eu sigo sim, bons conselhos dados.
E não sigo pessoas.
Sigo no máximo bons exemplos delas.
Das ruins, sigo em sentido contrário.
Eu não sigo nos erros.
Eu sigo em busca dos acertos.
Sigo setas, sigo luzes, sigo sinais.
Tantos que encontro no caminho.
Mas eu não caminho por trilhos.
Pois os trilhos não tem saídas constantes.
Prefiro seguir por estradas, com saídas aqui e acolá.
E ter opções no caminho.
De me recostar em algum colo.
Ou de seguir sozinho.
E assim eu sigo, persigo, consigo.
E sigo avante.

domingo, 15 de dezembro de 2019

TEUS OLHOS VERDES

Teus olhos verdes, mocinha.
O que dizer deles?
Que são extremamente lindos? 
Isso é claro. Qualquer um vê.
Mas eu enxergo mais.
Confirmo o que dizem que os olhos são espelho da alma.
Os teus olhos são isto, o espelho da tua.
Que é linda. 
Dá pra sentir. 
Na conversa contigo.
No contemplar deles. 
Que vazam isto. 
E justo eu, que prefiro os castanhos. 
Me rendo aos verdes teus. 
Deslumbrantes.
Assim como é também a sua alma.