terça-feira, 8 de agosto de 2017

OS DEPOIS DA VIDA

Advérbios de tempo, depois, pode ser tarde, pode ser nunca.
É o agora não, e a possibilidade de querer o que não se pode ter mais.
Como cheirar a flor já murcha, invés dela bela e perfumada.
Entre o passeio dos ponteiros do relógio pode ser qualquer hora.
Mas hora que não se pode fazer mais nada a respeito.
No relacionamento estremecido, pode ser a palavra certa.
Tardia, quando não há mais com quem conversar.
Pode ser a distância entre a chance da vida.
Quando do outro lado estiver a oportunidade perdida.
No “D” você a tem, mas no “S”, pode não ter mais.
As coisas acontecem depressa e o depois pode ser muito tempo.
Talvez o nunca mais conseguir se despedir de quem morre.
Depois eu faço, mas fazer o que, se já foi feito.
Depois eu amo, mas amar quem, se ela cansou de te esperar.
Depois eu me desculpo, mas não precisa, porque a benevolência se foi.
Perdeu-se o tempo da ação e reação.
A reação acontece antes da ação e no depois não sobra nada.
Ou fica o café frio no copo, que não foi bebido enquanto quente.
Porque beber o café ficou pra depois.
O assado da ceia que queima, porque tirá-lo do forno ficou pra depois.
E na ceia com a família não se come da carne.
O pôr do sol que não se viu naquela tarde, porque ficou pra depois.
E nos dias seguintes só houve dias nublados.
Tantos deixar pra depois quando eram os momentos certos.
Tantas coisas lindas que poderiam ter sido vividas.
E não foram, mas depois... O coração parou.

Nenhum comentário: